CONTAR OU CANTAR ? VIVER...

Madrugada...
Penso em escrever um conto.
É preciso revelar a beleza de uma vida - minha vida!
Amanhece o dia , a ideia persiste .
Sento em minha cama e a caneta nos dedos do pé começa a transpor para o papel , para o real o meu pensamento ... voar , partir , voltar...
Fujo do presente e volto ao passado , vivo o momento.
É o recomeçar, tenho cinco anos , sou deficiente fisicamente , mas com um interior dinâmico e feliz.
Adoro desenhar , imaginar...
Que valor ter uma cabeça perfeita , um pensamento que direciona!
Brinco , sou birrenta , defendo - me como posso , se preciso , uso até os dentes... bobeou... nhoc!
A minha cidade?
É pequena , acolhedora , turística e a religiosidade predomina .
Olha a festa!
É a festa ao DIVINO ESPÍRITO SANTO , em casa a euforia , somos os organizadores . Religiosidade ?
Não . Certeza , opção de vida , fé adulta e consciente , paz... eis o meu lar .
A sabedoria que vem de DEUS ao invés da sabedoria apenas humana , da cultura .
Simplicidade e amadurecimento como sinônimo de meus pais.
Vou falar deles:
Minha mãe , psicóloga por natureza com a ajuda de meu pai um líder , criou - me , educou - me como criança normal , sem cuidados exagerados , só o suficiente para tornar - me segura e feliz .
Hoje sinto o importante papel da minha infância , a auto realização
e a tranqüilidade são frutos de pensamentos direcionados para fé.
Caminho confiante , transmito sensibilidade com a força de vontade , a arte e a criatividade , invento , descubro - me a cada novo instante .
Ora sou alegre , ora sou triste , rio , angustio , caio , mas também levanto , sou e vivo uma vida normal!
Faço um estudo de minhas capacidades e limitações. Tudo leva - me a relembrar...
... cinco anos , tenho febre e terríveis dores nas pernas que não andam e que já foram determinadas para operações futuras . Tenho dores... choro ... digo que vou andar ou morrer.
A inocência de uma criança , a vontade , a certeza , a confiança.
E a festa ?
Último dia de festa , sou proibida de sair , mas... quero e vou participar da procissão . A birra , o choro constante , venço pelo grito e vou.
Nos braços de alguém, peço para descer , grito novamente , assusto e vou para o chão... começo a andar... dou os primeiros passos de minha vida!
A vontade de uma criança aliou - se à intervenção divina , todos vêem o prodígio, o ESPÍRITO SANTO e uma ação concreta ali!
Caminhar... e não morrer , caminhar para o bem!
As pessoas , de repente , percebem um pouco mais que religiosidade , percebem a presença de DEUS iluminando uma criança.
A medicina não encontra respostas , simplesmente aceita perante os fatos e radiografias , seu poder é limitado diante do ilimitado!
Os anos passam , a arte de viver alicerçada em DEUS cria meios de sobrevivência , descobre dons , persiste , luta e vence.
Valoriza o dia a dia como a maior descoberta , o maior milagre .
Nas pequenas coisas aprende cada vez mais a amar e ser amada.
Já não é apenas um invento , um conto ... é um cantar à alegria de
servir , amar e viver!
Nasci tetraplégica e esta é a minha história , o meu conto real!

CONTO BIOGRÁFICO TRADUZIDO EM INGLÊS, ESPANHOL E ALEMÃO ,
ENVIADO PARA 74 PAÍSES PELA VDMFK – REVISTA SEMESTRAL - AIAPBP – SUIÇA.


Direitos autorais reservados
Proibida toda e qualquer cópia de quadro para reprodução sem autorização
Desenvolvido por MarketNeti